domingo, 4 de novembro de 2012

Whey Protein: benefícios nutricionais

As proteínas do soro do leite possuem alto valor nutricional, elevado teor de aminoácidos essenciais, cálcio e peptídeos bioativos. Pesquisas demonstram sua grande aplicabilidade em todas as áreas da saúde.


Câncer: O whey tem sido extensivamente estudado na prevenção e tratamento do câncer. O estímulo da produção de glutationa parece ser o mecanismo imunomodulador primário. Os aminoácidos precursores da glutationa disponíveis no whey podem aumentar sua concentração em tecidos chave, estimular a imunidade e detoxificar possíveis agentes carcinogênicos.

Hepatite: A suplementação com este produto demonstrou vários efeitos positivos em pacientes infectados com hepatite B ou C. Estudo piloto com pacientes portadores de hepatite C mostrou que a suplementação com whey reduziu a carga viral dos indivíduos. Outros estudos demonstrara níveis aumentados de IL-2 e atividade de células NK aumentada. Em todos os pacientes os níveis séricos de glutationa estavam aumentados.

HIV: Micke e colaboradores em estudo com 30 pacientes ofertaram 45g/whey/dia e após 2 semanas houve um aumento nos níveis de glutationa.

Doenças cardiovasculares: A associação de leite fermentado e whey afetam positivamente a pressão arterial e os lipídeos sanguíneos. O grupo apresentou redução dos triglicerídeos, pressão sistólica e aumento do HDL-C.

Osteoporose: Estudos in vitro e em animais experimentais determinaram que as proteínas do soro do leite têm a capacidade de estimular a proliferação e a diferenciação de células osteoblásticas assim como suprimir a reabsorção óssea.

Cirurgia bariátrica: Há risco de desnutrição até um ano após as gastroplastias, Nestes casos a suplementação com whey se tornam fundamentais para evitar este mal nos pacientes.

Exercício físico: pessoas fisicamente ativas e atletas necessitam de maior quantidade proteica que as estabelecidas para indivíduos sedentários. A ingestão de whey após exercícios físicos favorece a recuperação muscular e a síntese proteica muscular. Quanto o menor intervalo entre o término do exercício e a ingestão proteica, melhor será a resposta anabólica ao exercício.


Existem diferentes vias pelas quais o Whey favorece a hipertrofia muscular e o ganho de força, otimizando, dessa forma, o treinamento e o desempenho físico. A leucina é um potente agente estimulante da síntese proteica. Ha & Zemel, 2003, destacam que o perfil de aminoácidos das proteínas do soro é muito similar ao das proteínas do músculo esquelético, fornecendo quase todos os aminoácidos em proporção similar às do mesmo.


As proteínas do soro do leite são ricas em cálcio. Diversos estudos epidemiológicos têm verificado uma relação inversa entre a ingestão de cálcio, proveniente do leite e seus derivados, e a gordura corporal. Uma provável explicação seria que o aumento no cálcio dietético reduz as concentrações dos hormônios calcitrópicos, principalmente o 1,25 hidroxicolecalciferol. Em altas concentrações, esse hormônio estimula a transferência de cálcio para os adipócitos. Nestas células, altas concentrações de cálcio levam à lipogênese e à redução da lipólise. Portanto, a supressão dos hormônios calcitrópicos mediada pelo cálcio dietético, pode ajudar a diminuir a deposição de gordura.

Estudos sugerem que o estresse oxidativo, produzido durante a atividade física, contribui para o desenvolvimento da fadiga muscular, diminuindo o desempenho. Sabe-se, ainda, que a glutationa é o principal agente antioxidante, o qual depende da concentração intracelular do aminoácido cisteína para ser sintetizado. Lands et. al. compararam o efeito de um suplemento à base de WPC (Whey Protein Concentrado) e da caseína (placebo) sobre o desempenho físico de adultos jovens, medido por meio de teste isocinético em bicicletas. Administrando 20g/dia de WPC durante 3 meses, o grupo suplementado apresentou um aumento de 35,5% na concentração de glutationa. Além disso, conseguiram gerar mais potência em testes de velocidade, sugerindo melhor rendimento. O provável efeito estaria relacionado ao alto teor de cisteína das proteínas do soro, o que resultaria em aumento da concentração de glutationa, com subsequente redução da disfunção muscular causada pelos agentes oxidantes.

Atletas, pessoas fisicamente ativas e até mesmo portadores de enfermidades vêm procurando benefícios no consumo de Whey Protein. 

Estudos sustentam que a Whey possui substâncias bioativas que atuam como agentes microbianos, anti-hipertensivos e reguladores da função imune.

Texto retirado, e ligeiramente modificado, da lâmina científica da Dynamic Lab. Os artigos científicos estão à disposição de quem se interessar. Abraços a todos.